24/06/2017

Primeira Tirinha - Um pensamento que me assombra todo dia...



Fiz essa tirinha na semana do feriado, pra tentar expressar algo que eu estava sentindo, mas que não consegui colocar em forma de texto. Foi a primeira vez que fiz uma tirinha e gostei de poder expressar um sentimento sem ter de dar muitas voltas ou pensar muito sobre ele.

O último quadrinho foi sugestão de um amigo, uma tentativa de dar leveza a um sentimento muito pesado. Estava tentando me concentrar ao máximo em todas as atividades que começava a fazer, mas que não necessariamente eram uma "obrigação", só para não ter de pensar. Mas na hora do banho tudo vem a tona. Saí e fiz o desenho, e ajudou um pouco. Desenhar é sempre terapêutico pra mim.

13/06/2017

Comunicação é a mágica da humanidade

Comunicação é a mágica da humanidade

Ultimamente tenho passado por várias situações onde alguma coisa aconteceu, como um desentendimento ou uma tarefa mal realizada, por uma falha de comunicação ou de clareza na fala de alguém, que me fizeram pensar no quanto se comunicar com outras pessoas é uma coisa doida. Cada pessoa entende o mundo a sua maneira, atribui significados diferentes as mesmas palavras, e ainda assim conseguimos conviver com outras pessoas sem estapeá-las a cada dois minutos. E o mais impressionante: conseguimos nos fazer entender. Nós de fato conseguimos fazer com que o outro compreenda o que estamos tentando dizer, e isso é muito impressionante.

Jung escreveu: “Cada palavra tem um sentido ligeiramente diferente para cada pessoa, mesmo para os de um mesmo nível cultural. O motivo dessas variações é que uma noção geral é recebida num contexto individual, particular e, portanto, é também compreendida e aplicada de modo individual particular”. Douglas Adams, de forma simplificada, disse: “Tudo o que você vê, o que ouve ou vivencia de qualquer jeito que seja é especifico para você. Você cria um universo ao percebê-lo, então tudo no universo que percebe é especifico para você.”

Nós criamos um Universo a partir de nossos sentidos, damos significados as coisas a partir de nossas experiências, compartilhamos esses significados com os outros, na expectativa de que eles vão compreender, e de alguma forma, isso ainda dá certo. Ou chega perto de dar certo. Ainda assim há quem não acredite em mágica. Se dizer para alguém "vai buscar o pão na padaria" e a pessoa de fato voltar com o pão não é mágico, eu sinceramente, não sei o que é. A quantidade de coisas que está envolvida na simples ação de mandar alguém buscar o pão e a pessoa realmente voltar com o pão é enorme. Por sorte, nós não precisamos processar tudo isso ao falar com outras pessoas, caso contrário, ninguém conseguiria manter uma conversação decente por mais de um minuto.

04/06/2017

A Metamorfose (Franz Kafka) e a questão do sofrimento mental

A Metamorfose e Sofrimento Mental
{Arte por Autor Desconhecido}
A Metamorfose era um desses clássicos que estavam eternamente na minha lista de leitura. Sabe aqueles livros que você já ouviu falar, conhece um monte de referências e que pretende ler um dia, mas não sabe quando? A Metamorfose era um desses livros. Até que a Clayci postou no Sai da Minha Lente que A Metamorfose era um livro curtíssimo, de trinta e poucas páginas, e eu percebi que poderia ler depois do almoço. Baixei um .pdf de domínio público e engatei na leitura.

Para quem não conhece, a história é a seguinte: Gregor Samsa um dia acorda metamorfoseado num inseto monstruoso. Pela descrição do autor, tudo leva a crer que esse inseto é uma espécie de barata gigante. Uma vez metamorfoseado nesse inseto gigante, Gregor, que trabalhava para sustentar seus pais e sua irmã, fica impossibilitado de trabalhar e perde o emprego. E a história se desenrola: incapaz de trabalhar, Gregor deixa de ser "útil" para a família, que aos poucos deixa de vê-lo como o irmão e filho que era, e passa a vê-lo como o inseto que aparenta ser.

A Metamorfose e Sofrimento Mental
A Metamorfose na visão de Will Tirando
Fica claro, logo no início, a crítica por trás da situação bizarra: as pessoas só possuem utilidade quando produzem alguma coisa. Enquanto se matava de trabalhar para sustentar a família, Gregor era um membro importante do círculo familiar e tinha seu valor. Podemos presumir que era "amado" e que seus pais se preocupavam com ele. A medida que deixa de ser o provedor e a família precisa trabalhar em seu lugar, começa a tornar-se um peso, um estorvo e, embora fosse Gregor quem estivesse sofrendo, era ele quem se preocupava em esconder-se e poupar a família de vê-lo na situação bizarra. Era ele quem tinha se transformado no inseto, mas ainda assim era a família que sofria ao vê-lo e tinha medo da situação. Gregor não só tinha de suportar viver como uma barata, mas precisava também buscar diminuir o sofrimento de sua família diante da própria situação. É claro que eu fui logo pensando em alguém que está passando por um sofrimento mental. A Metaformose é um prato cheio para várias interpretações.