12/02/2013

[Resenha] O retorno do Jovem Príncipe - A. G. Roemmers

O Retorno do Jovem Princípe
Título: O Retorno do Jovem Príncipe
Autor: A. G. Roemmers
ISBN: 9788539002542
Editora: Fontanar
Páginas: 112
Sinopse: Como tantos que leram O Pequeno Príncipe, eu também captei a simplicidade de sua mensagem e compartilhei a tristeza de Saint-Exupéry quando o herói-criança, que alcançara as profundezas de meu coração, foi obrigado a retornar a seu asteroide. Muitas vezes perguntei a mim mesmo, o que aconteceria a essa criança tão especial se continuasse a viver entre nós. Como seria sua adolescência? Conseguiria preservar a inocência de seu coração?", indaga o poeta argentino A. G. Roemmers.Roemmers retoma no livro discussões éticas sobre a experiência humana e aborda temas ainda cruciais à humanidade, como guerras, crises econômicas, fome e consumismo. "Durante o percurso da viagem fictícia, o Jovem Príncipe pergunta se há muitos caminhos no planeta Terra e se não ocorre aos homens procurar no céu a orientação. Sempre há problemas e os caminhos para superá-los", afirma o autor, também influenciado pelo personagem em sua infância.


Quando terminei de ler O Pequeno Príncipe, senti uma especie de vazio. Sempre imaginei o que teria acontecido com o Pequeno Príncipe. Se o carneiro teria ou não comido a rosa, se ele voltou ou não para casa... Quando fiquei sabendo desse livro, fiquei curiosa. Apesar de saber que não teria minhas respostas, quis ler o livro, só para encontrar o Pequeno Príncipe de novo. Mas não foi isso que aconteceu.

Nesse livro, o narrador encontra um jovem na beira da estrada, dormindo. Esse jovem é o Pequeno Príncipe. O narrador convida o jovem a entrar no carro, mesmo sabendo que ele é um completo desconhecido e começam a conversar. A história é bem legal no começo, mas ao longo do livro você percebe que não é a mesma coisa. O Príncipe não é mais o mesmo. Ele não é mais a criança que conseguia ver carneiro através de caixas, que tinha uma rosa única no mundo e uma amiga raposa. Ele é só um jovem depressivo e desanimado da vida. Esse livro não tem a simplicidade do livro de Saint-Ex. É muito diferente, parece mais um livro de auto-ajuda do que uma "continuação" do Pequeno Príncipe.

Durante quase todo o livro, o Jovem Príncipe faz muitas perguntas sobre a sociedade, as pessoas, etc. O narrador responde tudo como se fosse o dono da verdade, dando lições ao Príncipe. Muitas dessas lições são realmente bonitas, e mexe com a gente. Mas o livro tem muitas falhas. Quem leu O Pequeno Príncipe sabe que ele nunca respondia as perguntas dos outros, que foi ele quem deu as estrelas que ri, que ele era uma pessoa especial. Nesse livro o Jovem Príncipe responde todas as perguntas, as estrelas foram dadas a ele pelo seu amigo da Terra e a flor que ele tanta amava murcha. Ele abandona seu planeta, deixando ele entregue aos baobás e aos vulcões por causa de uma erva daninha. O Principe de Saint-Ex não se deixaria influenciar por uma erva daninha, deixaria? Claro que o autor não queria imitar o primeiro livro, mas como o personagem é o mesmo, ele deveria ser fiel a personalidade dele, e não virar outra pessoa.

Como eu disse, as lições do livro são bonitas. No fim de cada capítulo temos algumas frases em destaque, porque o autor não fez desenhos. Eu teria gostado mais se fosse um outro personagem, ou talvez outra história, não precisava ter colocado o Pequeno Príncipe no meio disso tudo. Como se o autor soubesse que estava estragando a essência do personagem, colocou nas últimas páginas que quem estava precisando de todas as lições que deu durante o livro era ele próprio, e o Jovem Príncipe apenas "guiou" seus pensamentos. Isso pareceu um pedido de desculpas. Não posso dizer que me decepcionei com o livro, porque não esperava nada dele, continuações de algo legal, feito por outra pessoa raramente dão certo. Mas eu fiquei com muita raiva enquanto lia, principalmente quando o nosso querido autor muda as roupas do Pequeno Príncipe, transformando ele em um garoto "normal". Saint-Ex nos diz que  "o essencial é invisível aos olhos", mas Alejandro Roemmers nos diz, subliminarmente que é preciso deixar de ser nós mesmos para não sermos considerados estranhos pela sociedade. Essa foi a única conclusão que tirei quando o Jovem Príncipe mudou suas roupas. Nem vou mencionar as referencias a religião, que achei desnecessárias, não encontramos referencias assim no livro de Saint-Exupéry.

É melhor ler e tirar suas próprias conclusões, mas se você quer continuar tendo estrelas que riem, fique apenas com O Pequeno Príncipe. Não consegui encontrar a mesma magia nesse livro.


26 comentários:

  1. Esse é um livro que eu não gostaria de ler, acredito. Sei lá, detesto quando tentam mudar alguma coisa da primeira história e, nesse caso, só ia acabar me irritando com comparações. Acho que esse é um livro que tenho que ler mais pra frente, quando eu superar essa minha mania de comparações. Pq senão vou detestar o livro pra sempre kkk.
    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Impossível não comparar um livro com o outro, afinal, é praticamente uma continuação.

      Excluir
    2. Deixa de ser criança .... Manias... O livro vem a trazer o leitor REFLETIR e não MUDAR ALGUMA COISA, você muda se vc quer. Pelamor, hoje em dia ninguém mais tem inteligência.

      Excluir
    3. Anônimo querido, primeiro, saiba respeita a opinião das outras pessoas. Segundo, o mudar que ela disse não quer dizer mudar as pessoas, e sim o tema original do livro. Saiba interpretar. Terceiro, como você pode sair por aí afirmando que "ninguém tem mais inteligência"? Você deve ter "muita" inteligência né? Para diminuir as pessoas desse jeito, só sendo um verdadeiro Einstein. Gente inteligente sabe que quanto mais se sabe menos sabe. Não diminua os outros.

      E é claro, na próxima, tenha a decência e a coragem de vir logado, ninguém aqui está se escondendo de ninguém.

      Excluir
  2. "Quando terminei de ler O Pequeno Príncipe, senti uma especie de vazio." Eu idem. Nunca fiquei tão preocupada com uma rosa na vida, haha.
    Eu me empolguei muito quando esse livro saiu, mas depois percebi que, caso eu lesse, teria que considerar como uma história completamente diferente de O Pequeno Príncipe, sabe? Como é escrito por alguém diferente, tudo seria diferente no livro, não adianta. Por isso tô com medo de ler e me decepcionar.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que vale a pena arriscar de vez em quando, mesmo sabendo o resultado ^^

      Excluir
  3. Achei a sua análise bem inteligente. Eu não curto muito livros assim, então... A minha vontade mesmo, é de ler o Pequeno Príncipe e só. Apesar de na sinopse estar assim "Sempre há problemas e os caminhos para superá-los', esse livro me pareceu ser bem pessimista. Sei lá. Sou cheia das opiniões, e nem li os livros. haha Deixa quieto.

    Carinhos.
    Diva Pensante (perfil)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha é assim mesmo. Lê o pequeno príncipe, você vai gostar ;)

      Excluir
  4. Nossa, também senti um vazio ao terminar de ler O Pequeno Príncipe, mas já sabia que não poderia fazer nada, a não ser lê-lo de novo. Sant-Exupéry era um gênio, acho que não existe ninguém com essa simplicidade e que possa fazer metáforas tão belas.

    ResponderExcluir
  5. Nunca confiei em livros que "pegam carona" em outros (vide: "A Filosofia por trás de Crepúsculo/True Blood/Jogos Vorazes", "A Religião em O Hobbit" - algo assim - "50 Tons de Prazer" e por aí vai), porque prova que o autor em si não tem muita sagacidade para criar uma estória original por si só - tanto que na maioria das vezes é livro é de auto-ajuda mesmo rs'.

    Dito isto, li O Pequeno Príncipe quando tinha oito anos e me senti cativada pela simplicidade infantil dele (e o modo como o narrador se sensibilizava). E, ao que parece, O Retorno do Jovem Príncipe transformou o menino em um "hipster depressivo" sem essência, o que com certeza não vai me convencer a lê-lo tão cedo.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Odeio quando um livro pega carona, isso me faz pensar em jogada pra ganhar dinheiro.

      Acho que um hipster depressivo é uma boa forma de caracterizar o que ele se tornou o/

      Excluir
  6. Eu não sabia que tinha "O retorno"...nunca tinha ouvido falar desse livro.
    Mas sinceramente?! Não despertou a curiosidade de ler.
    Bjsss

    http://livrosemarshmallows.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não sabia que tinha, mesmo sendo de outro autor ^^

      Excluir
  7. Não conhecia esse livro Marina.
    Acho que leria, pois fiquei curiosa!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias
    http://livroterapias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Eu gostei muito da continuação do Pequeno Príncipe, mas, também não posso falar que está errada! Parece que é um verdade as pessoas terem gostado mais do 1º Livro de O Pequeno Príncipe.
    "fiquei com muita raiva quando o autor muda suas roupas, e fala sobre religião" eu também, igualmente, não gostei muito de ter mudado suas vestes, mas era muito desnecessário falar de religião, provavelmente, irá ter um ateu que irá ler esses livro tipo: "Ah, adorei o Pequeno Príncipe, vou ler o 2º livro."... Acho que você está certa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se eu, que sou católica, achei isso desnecessário e não gostei, imagina um ateu? O autor tinha que ter seguido os passos de Saint-Ex para fazer uma continuação

      Excluir
    2. Pelo que entendi, Quado você recebe a visita do Pequeno Príncipe, acho que quer dizer, "você recebeu sua pureza de criança de volta!"
      Se, talvez, seja isso mesmo, parece que ele achou que tinha recebido sua visita, que as estrelas começaram a sorrir, mas não é verdade, também sou católica, pois então, ele simplesmente "achou", não recebeu sua visita, nem nada, só achou que tivesse recebido, acho...

      Excluir
    3. Entendi bem o que quis dizer. Talvez ele tenha apenas pensado que achou, mas na verdade não achou nada ^^

      Excluir
  9. Já tinha visto esse livro em uma livraria, mas não me interessei muito; talvez seja receio de não gostar muito da leitura :S Não sei se algum dia vou ler, parece ser bem diferente do original :S

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um pouco sim, o livro chega até a ser bonito, mas pra quem leu O pequeno príncipe esse nem se compara ^^

      Excluir
  10. bom na minha escola estao pedindo para fazer a ficha literaria deste livro e nao vai dar tempo deu ler sera que alguem poderia me informar o assuto dele a justificativa do titolo personagens espaço e tempo.

    por favor e obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Anony? Tem certeza que é esse livro? Bom, é muito comum fazerem fichas do livro O pequeno Príncipe nas escolas, mas desse nunca ouvi Oo

      O livro tem 102 páginas, bem pequeno e dá pra ler em questão de minutos, acho que isso é uma desculpa sua ein! Se eu fosse você, lia, porque o livro é interessante, e como você (provavelmente) não leu o pequeno principe, vai gostar.

      O assunto é o seguinte: Depois da sua volta ao asteroide B612, o Pequeno Príncipe está de volta a Terra, mas dessa vez, adolescente e cheio de conflitos pessoais.
      Justificativa do título: O livro tem esse título porque fala da volta do jovem príncipe (kkkkk o título já diz tudo)
      Personagens principais: O Jovem Príncipe e O narrador (acho que se chama Alexandre).
      Espaço: não sei o que quer dizer com isso, nunca fiz ficha de leitura. Se for onde acontece a história, é na Terra, não me lembro exatamente onde.
      Tempo: não me lembro.

      Espero que ajude. E é claro, na próxima tenta ler ok?:D

      Excluir
  11. vou fazer um trabalho pra minha escola sobre o resumo do livro e a professora so que 1 folha e eu achei esse resumo otimo pois tentei fazer mas so consegui com 2 folhas e meia .

    ResponderExcluir
  12. As respostas estão no nosso coração, no nosso asteroide, na nossa juventude. Onde os ensinamentos de Jesus eram os do Pequeno Príncipe, a humildade o nosso ser e o amor a nossa diferença.

    ResponderExcluir

Vai comentar? Lembre-se de seguir algumas regrinhas: nada de arrumar brigas com outras pessoas, e não use palavras de baixo calão! Não diga nada que você não diria para sua avó.

Obrigada pelo comentário, vou retribuí-lo assim que puder. Volte sempre (/◕▽◕。)/