24/09/2015

Depois do último post que escrevi, fiquei pensando no que postar novamente, e me surgiram algumas idéias. Porém não podia deixar o assunto daquele jeito, e começar a falar de outras coisas sem ao menos uma conclusão.

Vejam, logo que escrevi o texto, fiquei um pouco mais animada. Acho que não é novidade para ninguém que escrever ajuda a tirar um peso das nossas costas - e passar pro papel. Sempre tive a impressão de que escrever/falar sobre certas coisas, principalmente sobre sentimentos, os tornam reais. Quando falei sobre meu desânimo, ele se tornou real, e então, possível de ser enfrentado. Me senti um pouco melhor depois de escrever, e fui recebendo os comentários, e isso também ajudou muito. Não tenho um blog famoso com milhares de leitores e seguidores, sei que são poucas pessoas que leem, mas são os melhores leitores que um blog poderia ter. Obrigada pessoal! <3

Fiquei pensando em todo esse assunto, e fiz algumas coisas que disse que estava com vontade de fazer, doei umas roupas, joguei umas coisas inúteis fora, objetos que ficavam guardados sem nenhum valor, e encontrei algumas outras coisas no meu guarda roupa que nem lembrava que existiam. Novamente, foi como tirar um peso das costas.

Li que excessos canalizam a energia. Tentei então me livrar deles, incluindo o excesso de preocupações, principalmente a preocupação com o tempo (conto cada minuto do meu dia, com um medo quase patológico de desperdiçar meu tempo). Ainda estou no processo de parar com isso, mas vou me permitindo jogar meu tempo fora com coisas bestas - como ficar só deitada sem fazer nada, ou jogando algum joguinho.

Não posso dizer que estou pulando e cantando, ainda estou desanimada, porém, parte disso já se foi. Acho que o clima também contribuiu com isso, não gosto de calor, mas ver o sol brilhante na janela pela manhã me ajuda a acordar um pouco mais disposta (mesmo que eu reclame o resto do dia sobre como meu corpo está inchado, suado e quente). 

Sai um pouco de casa, foi para estudar, mas não no horário da faculdade, e mesmo que algumas pessoas critiquem isso ("você não vai numa festa, num barzinho? só estuda") não me importei nem um pouco, enquanto estudava com alguns colegas pude jogar conversa fora (é essa a expressão?) e isso me lembrou o quanto é bom conversar com alguém, mesmo que sobre coisas bestas. Parece estranho dizer isso, porque durante muito tempo fui uma pessoa que odiava conversa fiada e só queria saber de "papo cabeça". Às vezes, falar sobre como você adora batata palha é melhor do que discutir economia, dependendo do seu estado de espírito.

E falando em espírito, andei pensando em como sou e aquilo que eu gostaria de ser, além de várias vezes refletir sobre "ser você mesmo". Já vi que esse assunto vai render vários textões por aqui, então espero que não se importem. Conversei com uma amiga que não vejo há bastante tempo, e ela disse algo que talvez eu nunca tivesse pensado "você sempre foi reflexiva". Na minha cabeça, todo mundo reflete sobre tudo, assim como eu. Interpretei como um elogio, e gostei disso.

Falando em elogios, vou estender esse post um pouco mais para falar sobre o post no Tromba, da Sabrina. A Sabrina fez uma lista muito legal de elogios que já recebeu e eu fiquei morrendo de vontade de fazer a minha. Por causa do post, acabei assistindo O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, enquanto estava tentando dormir, e amei o filme. Adorei tudo e acho que vou fazer um post só pra ele no futuro.

Entre outras coisas, estou me sentindo bem, não sei se vai passar. Talvez seja a primavera, talvez não passe. Ou talvez passe. Não sei e não me importo. Não quero pensar nisso agora, tenho alguns blogs pra ler e prova amanhã. Chega de escrever, preciso dormir cedo.

23 comentários:

  1. Diferente de vc, eu sou a pessoa mais desorganizada do mundo no sentido de desperdiçar MUITO o meu tempo. To tentando buscar um equilíbrio entre liberdade e organização, mas de fato é bem difícil!

    Esperando os textos do tipo "ser você mesmo". Gostei do teu blog!

    Beijo!
    Mari
    www.galeriadasideias.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou muito "desesperada" com desperdício de tempo. Fico neurótica se tiver que passar alguns minutos sem fazer nada, ou mexendo em redes sociais e só conversando. Eu sempre penso "eu poderia estar fazendo algo de útil com esse tempo" com esse gerundismo mesmo. Queria não me cobrar tanto quando só estou jogando o tempo fora

      Excluir
  2. Eu era do mesmo jeito que você antes, e não tenho vergonha de contar hoje em dia. Passei por muitos problemas e dificuldades comigo mesma, com minha auto-estima lá em baixo, com meus desânimos, meus estresses fora de hora, meus choros estranhos, que não tinha sentido muito menos motivos. Passei anos tendo esse tipo de problema, e mal saia de casa, muito menos do quarto. As vezes me esforçava duramente, para que minha mãe não notasse tudo que eu passava, e tudo que escondia dentro de mim, para não preocupa-la e faze-la pensar que eu precisava de um ''Psicologo'' ou "Psiquiatra''. Tinha problemas com amigos, pois não conseguia conservar por muito tempo algumas amizades! Mas graças a Deus, hoje superei, depois dos meus 12 pra 13 anos, comecei a me ver de outra forma, a ver as pessoas de outra forma sabe, comecei a enxergar que nem tudo é flores, mas também nem tudo é ruim, sofrimento, angústia, aflições etc... E depois que casei melhorou mais ainda, nada é mais como antes, nem parece que eu fui uma menina dessa forma, parece até mesmo apenas um sonho que tive por um longo tempo, ou por longas horas, mais que nada era realidade.
    Adorei o post, gostei tanto que até desabafei aqui no comentário, rs
    desculpe-me pelo texto, e adorei o blog. Beijão!
    aminhacasa-eumaconfusao.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me identifico muito com o modo que você era. Espero que seja assim comigo também, que eu mude e consiga levar uma vida completamente diferente da que eu levo agora.

      Pode escrever a vontade! Adoro ler comentários assim <3

      Excluir
  3. Sabe as vezes precisamos ficar ruim para ficar bom depois, geralmente são os momentos ruins que nos ensinam algo, enquanto tudo esta bom nós não paramos para observar o que esta fora do lugar, sabe que eu fiz esse tipo de limpeza no meu quarto mês passado, foi em uma semana em que tudo estava ruim, algo me incomodava, joguei tantas coisas fora, doei roupas e sapatos, joguei anotações velhas, tirei a poeira que estava acumulada e depois comecei a pensar naquele que realmente me dava prazer e aos poucos estou tentando voltar a fazer o que eu gosto.
    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem razão. Nesses dias que tudo parece sem vida pra mim eu tô conseguindo ver o que gosto e não gosto realmente. Ainda não pude fazer a limpeza que eu quero, tirar toda a poeira e organizar tudo... estou programando isso para minhas férias. Mas tirar a poeira da minha "mente" e reorganizar e rever certos conceitos que tinha já estão me fazendo um bem danado. Acho que aos poucos a gente volta a fazer o que gosta, né?

      Excluir
  4. Escrever ajuda MUITO. Eu fiquei muito mais leve depois que comecei a escrever posts pessoais no meu blog, sério. Talvez seja um pouco preocupante que eu esteja escrevendo coisas muito íntimas mas na internet, mas na real eu nem me importo muito.
    "Quando falei sobre meu desânimo, ele se tornou real, e então, possível de ser enfrentado." - Exatamente isso. As vezes as coisas soam meio etéreas, na nossa mente, sabe? E escrever ajuda a entender e a lutar contra isso.
    Os comentários também ajudam. Pessoas que realmente estão dispostas a ler e a conversar numa boa, é bem por isso que eu acho que os blogs são a melhor coisa da internet. Claro que tem muita gente que fala merda (ainda mais quando você fala de coisas sérias, é sério, é como se a maioria das pessoas tivesse uma FOBIA bizarra de coisas sérias e ligasse automaticamente um botão de negação e de "Que blog lindo - todo mundo tem fases difíceis, força aí!")

    Fico feliz que eu tenha lido o post anterior agora com a conclusão pra ler depois. É claro que ninguém nem esperava q vc estivesse dando pulinhos, mas é bom saber q você está recolhendo os cacos, etc.

    Ah, sobre a parte de estudar, é claro que vc não deve SÓ estudar se não vc vai morrer, mas se estudar com os amigos já te permite algum lazer, e isso te faz bem, tá ótimo. O mundo é muito grande pra só terem pessoas barzinho/festa nele. Relaxa.

    PODE MANDAR TEXTÃO! Amo textão, to no blog pra isso, e os seus são maravilhosos, então pode vir mesmo. kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não me preocupo muito com a intimidade exposta na internet, eu me preocupo mais com alguém que eu conheço ver isso e entender que talvez eu não seja aquela pessoa que eu me mostro (e acabar não me aceitando por isso). Sei lá, tenho esses problemas...

      lkkkkkkkk eu vejo muito comentários assim na blogosfera a fora, às vezes observo o que estou escrevendo pra ver se não está com cara de "Que blog lindo - todo mundo tem fases difíceis, força aí!". Quando não sei o que dizer nem comento nada, até leio, mas preciso não falar nada a falar besteira. Aqui no blog acho que não acontecesse muito porque as pessoas tem preguiça de ler esse monte de coisas que escrevo. Ainda bem.

      Olha que vai ter textão todo dia kkkkk

      Excluir
  5. Lendo seu post, várias coisas passaram pela minha cabeça. Eu ainda não tinha lido o post sobre a falta de alma, então fui lá e mais milhares de pensamentos poparam enquanto eu lia. Apesar da sua expressão, "falta de alma", a coisa que mais me chamou a atenção em ambos foi quanta alma tinha nos seus textos! E a sinceridade e o sentimento vão acabando passando pra nós, leitores, que sentimos o que você quis passar. Isso é ótimo! Acho que, como você, eu também tenho essa sensação de que falar sobre algo acaba aliviando. Eu tô escrevendo um ~livro~ que um dos personagens tem isso como um "poder", e ele acaba se curando. Tipo como se a empatia do outro pudesse esvaziar nossas dores, entende?

    Mas o melhor de tudo é que faz bem. Passar por essas "crises" ajuda a gente a entender o que não tá certo, o que precisa mudar. Acho que são pontos de crescimento na vida.

    E não se preocupe tanto com o tempo. É muito gostoso não ter o que fazer de vez em quando :)

    Beijão Mariiina!

    A tal da Vivian

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa! Quero ler esse livro! De certa forma, acho que meu "poder" de se curar acontece quando saio escrevendo loucamente sem pensar muito no que vai sair daquilo. Tema interessante pra um livro :D

      Acho que esse é o objetivo da crise, no fim das contas

      Excluir
  6. Tbm sinto isso: quando falamos de algo, aquilo vira realidade e passamos a saber que podemos enfrentar.
    E parte do desânimo ter ido embora já é melhor do que se nenhum desânimo tivesse ido, pense assim ^^
    Não vou me importar nem um pouquinho com seus textões, Marina. Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Lívia! Ainda não tinha pensado dessa forma

      Excluir
  7. O que posso dizer além de que estou feliz por você estar melhor?
    Não me importo com os textões, estou me identificando com você em alguns pontos, e gosto dessa identificação, quando algo vai de encontro a como nós somos, é como se o outro nos lesse e acho que de certo modo procuramos muito disso na vida.
    Sobre conversa fiada: às vezes é tudo de que eu preciso. A vida já é muito séria para carregar a seriedade o tempo todo.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu procuro também ler textos e coisas que me identifico. Eu me sinto como se alguém tivesse traduzindo para minha língua algo de uma língua que não consigo entender. E também é um alívio saber que existe gente parecida conosco no mundo, pelo menos pra mim :D

      Excluir
  8. Nossa, vc anda muito profunda, e isso é bom.
    Ahhh eu sempre fui criticada por preferir estudar do que sair, mas dane-se.
    E fico feliz de ver que está se sentindo melhor, a primavera realmente faz isso com as pessoas.
    Fale sobre o filme em um post, tenho vontade de conhecer.

    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ando mesmo muito profunda, mas sempre fui assim. Não postava muito no blog por insegurança, mas agora nem ligo mais.

      A primavera faz, mas também não é milagreira, a gente tem que fazer algo de nossa parte :)

      Excluir
  9. Vai soar muito estranho se eu disser que fiquei muito feliz em saber que você está animada e que está aprendendo a "desperdiçar tempo" e aproveitar as coisas mais simples? Pois eu fiquei, não sei, me senti como se fosse uma amiga próxima sua, seu blog me passa essa sensação, de que você está conversando comigo porque sou uma amiga em quem você confia ><

    Eu aprendi a não contar o tempo também, parece preguiça ou procrastinação, mas é tão maravilhoso desperdiçar alguns minutos só ouvindo música ou rabiscando num caderno... E com certeza falar de batata palha é bem mais empolgante que economia e política kkk Sério, eu não aguento mais discutir sobre esses assuntos, porque parece que todo mundo tem aquela mesma "opinião de facebook" sobre as coisa e isso me irrita taaanto!

    Mas enfim, fico muito feliz que seu desânimo esteja passando, e não hesite em postar textões!

    ♥ Rendas e Doces

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! Fico feliz de passar essa sensação, amo quando leio um blog e ele me passa essa sensação. É maravilhoso <3

      Sobre opinião de facebook, às vezes também acontece da pessoa ter uma opinião tão bem formada e estruturada que não consigo levar a conversa adiante. Melhor mesmo falar de batata palha

      Excluir
  10. Oi Marina,
    Nem preciso dizer que escrever também sempre foi minha terapia, né? Acho que já falei isso muitas vezes.
    Te entendo. Eu também não estou em uma fase fácil, a idade vai cada vez mais longe (já se foram 30 anos) e sou completamente diferente da maioria das pessoas que eu conheço (graças às uns poucos "pirados" não estou sozinha no universo). Pouco saiu de casa e tenho horror à barzinho. Muito chato demais! Só se a companhia for muuuuito boa porque o ambiente (barulhento) nunca me agradou.
    Acho interessante as pessoas falarem tanto que cada um deve ser como é, e no final implicarem com a gente para sermos todos iguais... como assim??
    Quando bate em mim essas fases mais tristes digo que é TPM e espero passar, mas eu sei o que estou sentindo e não são apenas hormônios desequilibrados.
    Seja como for, o jeito é continuar escrevendo e esperando que passe.

    Beijussss;
    http://hipercriativa.blogspot.com.br/
    https://www.facebook.com/BlogMenteHipercriativa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também percebo isso, as pessoas falam pra você ser você mesma ou não ser como todo mundo, mas se você foge um pouco do "ser você" que elas aceitam, chove críticas.

      Ah, eu também culpo TPM, mas na maioria das vezes essas tristezas não batem com o calendário. Fazer o que, a culpa nem sempre é dos hormonios

      Excluir
  11. Nem me fale, Mari. Escrever alivia tudo. <3 E assim, um jeito que encontrei de me preocupar menos com o desperdício do tempo (pois aqui em Sampa o ritmo é frenético e eu fico louca com isso de produtividade) foi acordar cedinho, tipo, às 7h, mesmo morrendo de sono e fazer tudo o que quero fazer.

    Jogar conversa fora é muito bom mesmo. Eu gosto disso também: sair com os amigos pra tomar um café, estudar, e falar sobre o que der na telha. Mas eu sou suspeita: adoro um papo sobre economia =) ahaha.

    E meu, super bacana esse meme dos elogios! Incentiva a gente a lembrar das memórias bacanas, muito massa!

    Escreva mais textões, sim. :) Fiquei curiosa pra ver os próximos posts, Mari.

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acordo bem cedo durante a semana, mas não adianta muito, fico na faculdade até 12:50. Não sobra tempo pra muita coisa, tenho que chegar em casa e estudar, na maioria das vezes.

      Com certeza vou escrever mais!

      Excluir
  12. Oi, Mari!

    Eu super me identifiquei com o seu post. Primeiro, porque vc escreve de uma forma tão sincera que parece que estamos frente à frente, conversando. Segundo, porque eu tbm me senti menos cansada depois que escrevi meu post sobre o desânimo. Definitivamente, escrever é algo extremamente libertador.

    Assim como a Sô, também fui muito criticada por ser a que vai estudar ao invés de sair. O mais paradoxal disso tudo é que atualmente são estas as pessoas que me dizem "nossa, como você é inteligente/viajada/intelectual/etc" com um tom de "tenho uma certa inveja disso". Então, se pudesse te dar um conselho, seria: faça o que você sente vontade. Se sente vontade de sair, saia. Se sente vontade de estudar, estude. Simples assim. É a melhor coisa que você tem a fazer.

    Como observadora que sou, adoro pessoas reflexivas e espero conhecer mais das suas reflexões por aqui. Acho que quem "perde" tempo pensando acaba aprendendo muito não só sobre si, mas sobre os outros. Isso, de alguma maneira, nos ajuda a desenvolver mais da empatia, da solidariedade e do amor ao próximo que este mundo tanto precisa!

    Espero que tudo dê certo nas suas provas também! :D

    Aproveitando que estou aqui, obrigada por ter deixado um comentário tão lindo no meu blog. Espero que vc termine o seu livro, porque se ele for tão gostoso de ler como os seus posts são, fará sucesso, com toda certeza! :D

    Beijos pra você!

    www.algumasobservacoes.com

    ResponderExcluir

Vai comentar? Lembre-se de seguir algumas regrinhas: nada de arrumar brigas com outras pessoas, e não use palavras de baixo calão! Não diga nada que você não diria para sua avó.

Obrigada pelo comentário, vou retribuí-lo assim que puder. Volte sempre (/◕▽◕。)/