13/06/2017

Comunicação é a mágica da humanidade

Comunicação é a mágica da humanidade

Ultimamente tenho passado por várias situações onde alguma coisa aconteceu, como um desentendimento ou uma tarefa mal realizada, por uma falha de comunicação ou de clareza na fala de alguém, que me fizeram pensar no quanto se comunicar com outras pessoas é uma coisa doida. Cada pessoa entende o mundo a sua maneira, atribui significados diferentes as mesmas palavras, e ainda assim conseguimos conviver com outras pessoas sem estapeá-las a cada dois minutos. E o mais impressionante: conseguimos nos fazer entender. Nós de fato conseguimos fazer com que o outro compreenda o que estamos tentando dizer, e isso é muito impressionante.

Jung escreveu: “Cada palavra tem um sentido ligeiramente diferente para cada pessoa, mesmo para os de um mesmo nível cultural. O motivo dessas variações é que uma noção geral é recebida num contexto individual, particular e, portanto, é também compreendida e aplicada de modo individual particular”. Douglas Adams, de forma simplificada, disse: “Tudo o que você vê, o que ouve ou vivencia de qualquer jeito que seja é especifico para você. Você cria um universo ao percebê-lo, então tudo no universo que percebe é especifico para você.”

Nós criamos um Universo a partir de nossos sentidos, damos significados as coisas a partir de nossas experiências, compartilhamos esses significados com os outros, na expectativa de que eles vão compreender, e de alguma forma, isso ainda dá certo. Ou chega perto de dar certo. Ainda assim há quem não acredite em mágica. Se dizer para alguém "vai buscar o pão na padaria" e a pessoa de fato voltar com o pão não é mágico, eu sinceramente, não sei o que é. A quantidade de coisas que está envolvida na simples ação de mandar alguém buscar o pão e a pessoa realmente voltar com o pão é enorme. Por sorte, nós não precisamos processar tudo isso ao falar com outras pessoas, caso contrário, ninguém conseguiria manter uma conversação decente por mais de um minuto.


“Você não pode ver o que eu vejo porque vê o que você vê. Não pode saber o que sei por que sabe o que você sabe. O que vejo e o que sei não podem ser acrescentados ao que você vê e ao que você sabe por que são coisas diferentes. Também não podem substituir o que você vê e o que você sabe por que isso seria substituir você mesmo.” 

Do livro: Praticamente Inofensiva

Em primeiro lugar, você deve ter aprendido a falar, o que supõe que outras pessoas aprenderam a falar antes de você, e que você aprendeu com elas, e que você possui o desenvolvimento necessário para isso. Aprender a falar também pressupõe que a linguagem já foi inventada, e percorreu um longo caminho até chegar a você. Vamos pular essa parte ou vamos ficar nisso eternamente. 

Segundo, você precisa ter aprendido conceitos como "buscar", assim como o que é "pão" e "padaria". Também precisa ter aprendido que, ao falar com outras pessoas, elas vão ouvir, processar, compreender e fazer o que você diz, caso contrário, não teria porquê tentar se comunicar com elas. A outra pessoa precisa também ter compreendido tudo o que você compreendeu, e atribuir às suas palavras o mesmo significado que você atribui a elas. Não só isso, mas ela também precisa ter aprendido coisas como "dinheiro", "comprar", "pagar" e etc. (vamos supor que o pão não sai de graça). Ela também deve ter aprendido a: sair de casa, andar na rua, o que é uma padaria, a localização de uma padaria, como comprar coisas, como pedir... enfim, já deu pra entender né? Se numa simples tarefa como "comprar pão" isso já parece bastante complicado, imagine uma conversação sobre alma, amor, felicidade ou qualquer tema abstrato que nós não possuímos uma definição clara do que significam. Fica fácil compreender o motivo de tantas inimizades, não é mesmo?

Nós não conseguimos fazer bolas de fogo com as mãos nem possuímos uma varinha que tira coisas do nada, mas possuímos ferramentas que de fato são mais mágicas que isso. Usar um computador, tomar chá, conversar... Tudo isso é fantástico, e estamos tão habituados que não percebemos o quanto somos capazes de coisas incríveis. Até mesmo a tarefa mais simples possui um nível de complexidade muito grande, mas nós vemos tudo como coisas sem importância. Temos "poderes sobrenaturais", e tudo o que te permite ler esse post é um desses poderes. Li um Koan Zen-Budista que ilustra bem o que estou dizendo, e com ele finalizo o post:

Certa manhã, o Mestre Daie, ao levantar-se, chamou seu discípulo Gyozan e lhe disse:
— Vamos fazer uma disputa para saber quem de nós dois possui mais poderes sobrenaturais?
Gyozan retirou-se sem nada responder. Dali a pouco, voltou trazendo uma bacia com água e uma toalha. O mestre lavou o rosto e enxugou-se em silêncio. Depois, Daie e Gyozan sentaram ante uma mesinha e ficaram conversando sobre assuntos diversos, tomando chá.
Pouco depois, Kyogen, outro discípulo, aproximou-se e perguntou:
— O que estão fazendo?
— Estamos fazendo uma competição com nossos poderes sobrenaturais — respondeu o Mestre — Queres participar?
Kyogen retirou-se calado e logo depois retornou trazendo uma bandeja com doces e biscoitos.
O Mestre Daie então dirigiu-se aos seus dois discípulos, e exclamou:
— Na verdade, vós superais em poderes sobrenaturais Sariputra, Mogallana e todos os discípulos de Buda!


12 comentários:

  1. Boa tarde,
    Como você está?

    Realmente, concordo com a passagem em que diz que não temos noção de quanto conseguimos fazer coisas maravilhosas. As vezes, vejo a sociedade engessada, pessoas sem criativa, com preguiça de absorver informação ou interpretá-las. Se bem que cada um tem sua visão das coisas.

    Beijos e se cuida
    www.rimasdopreto.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também costumo pensar dessa forma, mas também acho que cada um tem sua própria forma de interpretar e ser criativa, só não é da mesma forma que a gente :D

      Excluir
  2. Oi, Marina!
    Eu penso bastante sobre o que você escreveu, sobre a riqueza que é a magia contida nas nossas comunicações, e por isso, acho que, para alguns, pode se tornar algo aterrorizante pela responsabilidade contida em tal maravilha.
    Pra alguém que vive de inconstâncias, que pensa muito no que o outro vai pensar ou tem muitas frustrações em comunicações mal resolvidas ou formuladas, se torna algo terrível. Horrível, como uma crise interna devastadora.

    Eu vejo muita magia na comunicação como você, mas, também vejo como algo que requer um excesso de equilíbrio tão extremo, que chega a ser sufocante. Não sei, é como agora escrevendo esse comentário... eu não sei bem se disse o que queria dizer. Em um mundo onde você se preocupa tanto em parecer ou não parecer, ou em falar apenas a verdade contida em si, talvez a relação entre as pessoas, a capacidade de se comunicar com tantas interpretações subjetivas se faz extremamente difícil. Tenho inveja de quem ver com simplicidade. Tenho um grande apego a sorrisos breves e diretos, tornando tudo mais simples.

    É meu mecanismo contra esse pânico, eu acho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pedro! Que bom ver você aqui <3

      Tenho esses mesmos sentimentos que você citou, chega a ser difícil conversar com as pessoas por isso.

      Eu entendi o que li, mas também não sei se o que eu entendi foi o que você tentou dizer hahaha' Mas é justamente nessa dificuldade que está a magia pra mim, apesar de tudo, nós ainda conseguimos nos comunicar, não conseguimos? Mesmo que cada um seja um universo, nós ainda somos universos tentando nos conectar. Isso é bonito demais :DD

      Excluir
  3. Tenho passado por um momento super delicado e não ando com vontade de me comunicar com pessoas que são importante pra mim, mas justamente pelo que vc disse. Por medo de não entenderem o que quero dizer e colocarem outros significados, sabe? =/
    A comunicação é fundamental, mas tão complicada rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo perfeitamente! Acontece muito comigo quando preciso falar algo delicado com alguém, e não sei como a pessoa vai receber a informação. Tenho vontade de não falar nada, mas às vezes não falar é pior do que falar e ser mal interpretada. Viver é difícil rsrs

      Excluir
  4. Olá Marina, como está?

    Amei a postagem, tomei como uma reflexão, abri um pensamento em uma "magia" de valor mui grande, que eu e muitos outros encontraram e hão de encontrar...

    Vou guardar: "Nós não conseguimos fazer bolas de fogo com as mãos nem possuímos uma varinha que tira coisas do nada, mas possuímos ferramentas que de fato são mais mágicas que isso".

    Pois é uma grande verdade.

    Abraço.
    https://rabiscoscolorido.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Everton! Fico feliz de saber que o post te fez pensar ;)

      Beijos!

      Excluir
  5. Eu nunca tinha parado para pensar na magia que há em tudo que conseguimos fazer <3 e realmente é algo mágico a nossa capacidade de nos comunicar. Fazer com que o outro escuta e entenda o que dizemos, e que sinta tocar no coração, é um milagre, e eu nunca tinha refletido sobre isso!

    Com amor,
    Bruna Morgan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Às vezes eu tenho esses "surtos" e vejo as coisas como se eu tivesse descobrindo elas, pela primeira vez. Além da linguagem, uma coisa que me espanta muito são as câmeras. O negócio tá capturando a realidade, sabe? Acho fantástico, sempre me impressiona hahaha' Fazer ligações também, acho muito interessante que a gente de fato consegue ouvir o que a outra pessoa está falando, em um lugar bem longe de onde você está. Qualquer tecnologia já é mágica pra mim rsrs

      Beijos!

      Excluir

Vai comentar? Lembre-se de seguir algumas regrinhas: nada de arrumar brigas com outras pessoas, e não use palavras de baixo calão! Não diga nada que você não diria para sua avó.

Obrigada pelo comentário, vou retribuí-lo assim que puder. Volte sempre (/◕▽◕。)/